Linha Verde 800 210 230
GLOSSÁRIO




A
ADSORÇÃO
- O anexar de moléculas de uma substância líquida ou gasosa à superfície de um sólido.

ÁGUA LIXIVIANTE OU LIXIVIADO - Efluentes líquidos que percorrem através da massa de Resíduos Urbanos confinada em aterro e que são resultantes da água contida nos resíduos, da precipitação (água da chuva) caída sobre a massa de resíduos e, eventualmente, da infiltração de águas subterrâneas preexistente.

AERÓBIO - O termo Aeróbio foi criado na França por Pasteur, em 1875, para classificar as bactérias que necessitavam de oxigénio para viver.
A aerobiose refere-se a um processo bioquímico que representa a forma mais eficaz de obter energia a partir de nutrientes como a glicose, na presença obrigatória de oxigénio. Os seres vivos que procedem à aerobiose são os seres aerobióticos. A maioria dos seres vivos encontra-se nestas condições. Os seres vivos que sobrevivem sem oxigénio são anaeróbios.

ANAERÓBIO - É um termo técnico que significa literalmente sem ar e se opõe a aeróbio. A presença ou ausência de ar (oxigénio - O2) ou, mais precisamente, a presença ou ausência de oxigénio no ar, afeta várias reações químicas e biológicas. As que ocorrem na ausência de oxigénio dizem-se que ocorrem em anaerobiose.

AMBIENTE - Conjunto de sistemas físicos, químicos, biológicos e suas relações e dos fatores económicos, sociais e culturais com efeito direto ou indireto, mediato ou imediato, sobre os seres vivos e a qualidade de vida do Homem (n.º 2 do artigo 5º do D.L. n.º 11/87, Lei de Bases de Ambiente).

ATERRO SANITÁRIO - Os Aterros sanitários são soluções técnicas de tratamento e destino final dos resíduos sólidos, que não pode ser confundido com uma lixeira. É uma obra de engenharia multidisciplinar que tem de ser projetada em função de um conjunto de fatores que condicionam o seu dimensionamento, devendo partilhar de um equilíbrio de compromissos de índole técnica, estrutural, ambiental, económica, funcional, sanitária e social.
Nos Aterros Sanitário existe um controlo sistemático das águas lixiviantes e dos gases produzidos. Deverão ainda ser objeto de análise aspetos ambientais relacionados com a operação de deposição e compactação de resíduos, durante o seu funcionamento e após o seu encerramento. Para além das infraestruturas complementares, um aterro é composto por uma ou mais células de deposição, devidamente impermeabilizadas, onde diariamente os Resíduos Sólidos Urbanos são cobertos com terra.
Após a célula se encontrar completamente cheia, é efetuada a sua selagem e recuperação paisagística, podendo o terreno ser aproveitado, por exemplo, para espaços verdes.

B
BIODEGRADÁVEL - Suscetível de ser decomposto por organismos vivos em compostos inorgânicos.

BIODIESEL - É um combustível alternativo feito a partir de óleos vegetais e animais, que pode substituir diretamente o gasóleo produzido a partir de combustíveis fósseis. Este combustível, para além de ser menos poluente que o petrodiesel, é uma energia renovável, pois resulta da produção agrícola, fechando um ciclo do carbono, e não de um combustível fóssil que leva a um incremento de gases de efeito de estufa contribuindo assim para o aquecimento global do planeta.

BIOGÁS - Mistura de gases, com preponderância de gás metano e dióxido de carbono, provenientes da digestão anaeróbia de resíduos orgânicos.

BIODEGRADÁVEL - É toda a substância que pode, facilmente, ser decomposta, no próprio ambiente, em elementos mais simples por ação de microrganismos existentes na natureza. Legumes, fruta, cascas de ovos, pão, bolos, saquinhos de chá e café, folhas, relvas, podas, caules, flores, ramos, palha, feno...são exemplos de materiais biodegradáveis utilizados para compostagem caseira ou industrial.

BIOMASSA - Fração biodegradável de produtos e resíduos da agricultura e floresta (incluindo substâncias vegetais e animais) bem como a fração biodegradável dos resíduos industriais e urbanos. A biomassa não é constituída por material fossilizado (como os combustíveis fósseis) mas por material fresco que tem a possibilidade de voltar a crescer e a regenerar.

C
CAPITAÇÃO - O que se produz, consome, paga ou recebe por cabeça ou pessoa.

CARVÃO ATIVADO - Uma forma de carvão altamente absorvente usada para remover odores e substancias tóxicas de emissões gasosas.

CDR - Combustível derivado de resíduos.

CENTRO DE TRIAGEM - Instalação que recebe os materiais colocados nos ecopontos e Ecocentros e os separa e trata de acordo com as suas categorias, para que as indústrias da reciclagem os possam receber.

COMBUSTÃO - O processo de queimar algo.

COMPOSTAGEM OU RECICLAGEM ORGÂNICA - Consiste  no aproveitamento do potencial reciclável da matéria orgânica, constituindo-se assim como uma forma de valorização orgânica. Este processo de valorização consiste na recuperação da fração biodegradável dos resíduos sólidos que, após decomposição biológica por via aeróbia, origina  um produto final estabilizado, inócuo, num estado de total ou parcial humificação que permite a sua introdução no solo de forma fito compatível e que é designado por composto.

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA - A compostagem doméstica é um processo de valorização da matéria orgânica que consiste na degradação biológica, na presença de oxigénio, de resíduos orgânicos domésticos, de forma a serem estabilizados, originando uma substância húmida, vulgarmente designada por composto. O composto obtido através da aplicação de processos de compostagem de resíduos orgânicos pode ser utilizado como fertilizante, fornecendo matéria orgânica e nutrientes sob uma forma facilmente assimilável pelas plantas.

COMPOSTAGEM AERÓBIA - As bactérias que atuam durante a compostagem aeróbia necessitam de oxigénio. Por isso este processo dá-se em locais arejados.

COMPOSTAGEM ANAERÓBIA - A digestão anaeróbia acontece em locais onde não há oxigénio. Na Estação de Tratamento e Valorização Orgânica da Valorsul será utilizado este processo.

COMPOSTO - Fertilizante de solo, utilizável na agricultura ou em jardins, obtido a partir da degradação dos resíduos orgânicos.

COMPACTAÇÃO - Processo mecânico que permite reduzir o volume dos resíduos através de compressão.

CONFINAMENTO - Operação terminal dos sistemas de resíduos sólidos, que pode assumir as seguintes modalidades: lixeira, vazadouro controlado, aterro sanitário, armazenagem subterrânea e confinamento técnico.

CONFINAMENTO TÉCNICO - Modalidade de confinamento caracterizada pela observância de critérios de admissão de resíduos, colocação dos mesmos em células próprias (alvéolos) e monitorização de impactes ambientais.

CONTAMINAÇÃO - Existência de uma substância (contaminante) no ar, solo, água ou corpo, podendo a sua presença ser prejudicial ou não, normalmente produzida pela atividade humana.

CRIVAGEM - Separação mecânica de diferentes componentes dos resíduos, de acordo com a sua dimensão.

D
DEPOSIÇÃO - Atividade associada à colocação dos resíduos em local apropriado como a deposição em estação de tratamento ou em destino final.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – De acordo com o enunciado no Relatório de Brundtland, a definição clássica de Desenvolvimento Sustentável corresponde “ao desenvolvimento que satisfaz as necessidades das gerações atuais, sem com isso comprometer a possibilidade das gerações futuras satisfazerem as suas próprias necessidades”. Desta forma o desenvolvimento sustentável envolve a integração das políticas socioeconómicas e ambientais.

DETERGENTE BIODEGRADÁVEL - Detergente sintético que sofre degradação, devido à ação microbiana, não causando grandes alterações ao meio ambiente, diminuindo desta forma os seus efeitos na poluição do meio hídrico.

DIGESTÃO ANAERÓBIA - Utilização de resíduos orgânicos como substrato para o crescimento de bactérias com a função de, na ausência de oxigénio, estabilizar os resíduos e reduzir o seu volume. As bactérias consomem o carbono dos resíduos e a sua fonte de energia e convertem-no em produtos gasosos.

E
ECOCENTRO - Os Ecocentros são áreas vigiadas, com uma capacidade de depósito superior aos Ecopontos e que recebem também resíduos para reciclagem. São parques amplos, com contentores de grandes dimensões, destinados a receber diversos tipos de resíduos sólidos, separados por tipo de material: metais, plásticos, papel e cartão, vidro, madeira, entulhos, eletrodomésticos de grandes dimensões, móveis, colchões, pneus, entre outros.

ECOPONTO - O termo pode ter duas utilizações. Uma referindo-se apenas ao contentor específico para a deposição seletiva de resíduos. A outra, e a mais comum, referindo-se ao conjunto dos três contentores para deposição seletiva de resíduos. Cada contentor recebe determinado tipo de material associado à cor respetiva:
Contentor Amarelo - embalagens de plástico, metal e ECAL; Contentor Azul - embalagens de papel e cartão e outros materiais de papel; Contentor Verde - embalagens vidro. Por vezes contém também um contentor para as pilhas.

ECOSSISTEMA - Os organismos vivos interagem não só com o meio físico que os rodeia mas também com a química ambiental e com o meio social e biológico em que estão inseridos. Este sistema denomina-se ecossistema e é essencial para a compreensão e estudo da Ecologia.

ECOLOGIA - Termo utilizado, pela primeira vez em 1866, pelo naturalista alemão Ernest Haeckel, promotor das ideias de Darwin. Ele definiu-a como "economia biológica ou economia da natureza", ou ainda "ciência dos costumes dos organismos, suas necessidades vitais e suas relações com outros organismos" e mais, como "o estudo das relações de um organismo com seu ambiente inorgânico e orgânico".
Actualmente, a definição de ecologia está mais restringida ao estudo das relações entre organismos e o meio.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL - Sistema de aprendizagem e comunicação de problemas relacionados com a interação dos homens com seu ambiente natural. É o instrumento de formação de uma consciência, através do conhecimento e da reflexão sobre a realidade ambiental.

EFEITO DE ESTUFA - O efeito de Estufa é causado pelos gases com efeito de estufa (GEE), que evitam que o calor solar absorvido pela superfície terrestre se escape para o espaço. Isto acontece porque as radiações solares atravessam a atmosfera e são absorvidas pela superfície do nosso planeta, aquecendo-o. Este calor é depois reemitido para o espaço sob a forma de radiações infravermelhas, que são parcialmente absorvidas pelos GEE, aprisionando esta energia calorífica.
Assim a temperatura do planeta é mantida dentro de uma gama de valores cerca de 30ºC superior ao que seria se estes gases não existissem e é este aspeto que torna possível a existência de vida no planeta terra. Mas se, por um lado o efeito de estufa mantém a superfície da Terra aquecida e com uma temperatura amena, por outro a excessiva concentração de GEE na atmosfera terrestre, reduz a libertação de calor para o espaço, provocando um aumento médio desta temperatura e um aquecimento do Planeta.

EFLUENTE - Qualquer produto líquido ou gasoso lançado no ambiente como resultado das atividades humanas.

EMBALAGEM - Objeto feito de materiais de qualquer natureza utilizados para conter, proteger, transportar, manusear e entregar um produto.

EMBALAGEM COM CONTRIBUIÇÃO PONTO VERDE - Embalagem de Serviço cujo valor faturado aos clientes incorpora a respetiva Contribuição Ponto Verde e que portanto cumpre a legislação sobre resíduos de embalagens. Estas embalagens contêm impresso o símbolo Ponto Verde.

ENTULHO - Designação corrente e popular de resíduos inertes, em geral provenientes de construções e demolições.

ESTAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE VERDES - Local específico para a produção de composto orgânico a partir de resíduos verdes (podas e sobras de jardins ou espaços verdes).

ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA (ET) - Posto intermédio entre a recolha de rsu (resíduos sólidos urbanos) nos contentores urbanos e o seu destino final, por valorização ou deposição definitiva em Aterro.

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS LIXIVIANTES – ETAL - Local onde as águas lixiviantes são tratadas antes da sua reutilização ou encaminhamento para outro sistema de tratamento ou descarga. O seu tratamento pode ser feito mediante o processo aeróbico ou de osmose inversa.

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS - ETAR – Estação de Tratamento de Águas Residuais.

ESTAÇÃO DE TRIAGEM DE RESÍDUOS DE EMBALAGEM - Local para onde são transportados os resíduos de embalagens depois de recolhidos nos Ecopontos ou Ecocentros onde foram depositados, e onde são preparados para serem encaminhados para reciclagem. O processo de preparação passa por uma seleção mais específica dos materiais de embalagem no tapete de triagem e posterior compactação e enfardamento dos mesmos.
Os plásticos são separados por várias categorias (exp: PET, PVC, PEAD, entre outros) e os metais são separados em aço (metal ferroso) e alumínio (metal não ferroso). Ainda nas estações de triagem, os diferentes resíduos são prensados, constituindo-se fardos de material que são depois encaminhados para fábricas que integram os resíduos dos materiais nos produtos que fabricam.

F
FILEIRA - designação técnica relativa aos materiais passíveis de serem reciclados contidos nos resíduos (ex. fileira do vidro, do plástico, do metal, do papel e cartão).

FLUXO - designação técnica para os componentes dos Resíduos Sólidos Urbanos ou de outras categorias de resíduos (pneus, solventes, lamas de ETAR, RCD’s).

G
GESTÃO INTEGRADA - Gestão apoiada numa hierarquia de planos e programas, desde a produção à reinserção nos circuitos produtivos (reciclagem), ou, em alternativa, a incineração com recuperação de calor e ao confinamento como último recurso.

GESTÃO DE RESÍDUOS - São as operações de recolha, transporte, armazenagem, tratamento, valorização e eliminação de resíduos, incluindo a monitorização dos locais de descarga após o encerramento das respetivas instalações, bem como o planeamento dessas operações.

I
IMPACTE AMBIENTAL - Qualquer alteração no ambiente, seja adversa ou benéfica, total ou parcialmente resultante das atividades, produtos ou serviços de uma organização.
Estas alterações, quando adversas, podem, direta ou indiretamente, prejudicar a saúde, segurança e o bem-estar da população, bem como a qualidade dos recursos ambientais.

INCINERAÇÃO - Processo de eliminação de resíduos por via térmica, com ou sem recuperação de calor produzido por combustão. Esta técnica de tratamento permite a eliminação de microrganismos e reduz até 75% o peso e até 95% o volume dos resíduos, facilitando a sua deposição final.
Este processo é aconselhado para casos como o tratamento de resíduos hospitalares, cujos componentes biológicos patogénicos só são destruídos a altas temperaturas.

INDICADORES - Parâmetros ou variáveis ambientais representativos do sistema de recolha seletiva que apontam os aspetos positivos e negativos desse sistema.

L
LAMAS - Resíduos sólidos acumulados, provenientes de diversas categorias de água, quer húmidos, quer misturados com um elemento líquido, em consequência de processos naturais ou artificiais.

LIXEIRA (OU VAZADOURO) - Modalidade indesejável de confinamento no solo, em que os resíduos são depositados de forma indiscriminada e não existe qualquer controlo posterior.

M
MATÉRIA PRIMA - Qualquer material primário, para processamento industrial, que não tenha ainda sido utilizado.

MATÉRIA ORGÂNICA - Matéria de origem animal, vegetal ou microbiana, viva ou morta em qualquer estado de conservação, passível de decomposição.

METAIS - Materiais com elevada durabilidade, resistência mecânica e facilidade de configuração, sendo muito utilizados em equipamentos, estruturas e embalagens em geral. Quanto à sua composição, os metais são classificados em dois grandes grupos: os ferrosos (compostos basicamente de ferro e aço) e os não-ferrosos (metais que não têm ferro na sua constituição).

MICRORGANISMOS - São seres que não são visíveis a olho nu. Para se poderem visualizar, tem de recorrer-se à utilização de um microscópio.
Dentro dos microrganismos temos bactérias, alguns fungos (leveduras e bolores), os protozoários, as algas microscópicas e os vírus.

MONITORIZAÇÃO – Conjunto de ações de vigilância e controlo destinado a permitir a avaliação e o acompanhamento da qualidade da gestão dos tecnosistemas.

MONSTRO – Resíduo volumoso e/ou pesado que não oferece condições de fácil manuseamento pelos produtores domésticos ou institucionais, por essa razão, fica habitualmente ao cuidado dos serviços de recolha da entidade gestora.

MONÓXIDO DE CARBONO (CO) MONÓXIDO DE CARBONO (CO) - O Monóxido de Carbono é um gás incolor e inodoro que resulta de combustões incompletas. Os incêndios florestais e o tráfego rodoviário são exemplos de fontes deste poluente.

O
OSMOSE – A osmose é o nome dado ao movimento da água entre meios, com concentrações de diferentes de solutos, separados por uma membrana semipermeável.
A água movimenta-se sempre de um meio hipotónico (menos concentrado em soluto) para um meio hipertónico (mais concentrado em soluto) com o objetivo de se atingir a mesma concentração em ambos os meios (isotónico) através de uma membrana semipermeável, ou seja, uma membrana cujos poros permitem a passagem de moléculas de água, mas impedem a passagem de outras moléculas.

OSMOSE INVERSA - A osmose inversa ou osmose reversa, é um processo de separação, em que um solvente é separado de um soluto de baixa massa molecular, por uma membrana permeável ao solvente e impermeável ao soluto. Isso ocorre quando se aplica uma grande pressão sobre este meio aquoso, o que contraria o fluxo natural da osmose.
Por essa razão o processo é denominado osmose reversa. No caso dos resíduos está associado ao tratamento das águas lixiviantes que garante resultados excelentes na purificação destas águas, tornando-as adequadas para serem devolvidas ao meio ambiente.

ÓXIDOS DE ENXOFRE - Óxidos provenientes sobretudo da combustão de combustíveis fósseis que contêm enxofre. (Designado por SOx nos estudos sobre poluição).

Ozono (O3) - Gás constituído por oxigénio molecular e atómico. O Ozono existente na estratosfera tem um papel fundamental pois limita a quantidade de radiação ultravioleta que atinge a superfície terrestre. No entanto, ao nível da troposfera, (um nível mais baixo da atmosfera), o ozono pode provocar efeitos nocivos para a saúde.

P
PARTÍCULAS INALÁVEIS (PI) - Existem dois tipos de partículas na atmosfera: as primárias - emitidas diretamente por fontes poluidoras - e as secundárias - que se formam na atmosfera pela condensação de gases ou como resultado de reações químicas entre outros poluentes.

PEGADA ECOLÓGICA - quantidade de terra e água necessária para sustentar as gerações atuais, tendo em conta todos os recursos materiais e energéticos gastos por uma determinada população. A pegada ecológica de uma população tecnologicamente avançada é, em geral, maior do que a de uma população subdesenvolvida. Para calcular a Pegada Ecológica é necessário somar todos os componentes que podem causar impactos ambientais, tais como:
- A área de energia fóssil (representa a área que deveríamos reservar para a absorção do CO2 que é libertado em excesso);
- A terra arável (representa a área de terreno agrícola necessária para suprimir as necessidades alimentícias da população);
- As pastagens (representa a área necessária para criar o gado em condições minimamente "razoáveis");
- A floresta (representa a área de floresta necessária para fornecer madeira e seus derivados e outros produtos não lenhosos);
- A área urbanizada (representa a área necessária para a construção de edifícios).
Existem vários métodos de cálculo da Pegada Ecológica, a título de exemplo, sugerimos-lhe que calcule a sua e compare o seu resultado com as médias nacionais de alguns países.

PEAD (Polietileno de Alta Densidade) - Um tipo de plástico, usado para fazer objetos, como embalagens de detergente.

PET (Politereftalato de Etileno) - Uma resina plástica utilizada para fazer embalagens. (ex: garrafas de água e de refrigerantes).

PILHÃO - Contentor próprio para a deposição de pilhas usadas.

PODER CALORÍFICO - Calor libertado quando uma unidade de massa de uma dada substância é queimada como combustível, em condições padrão. O poder calorífico mede-se em Giga-Joules por tonelada. Representa a energia potencialmente disponível numa substância. No Reino Unido, por exemplo, o valor do poder calorífico dos RSU varia entre 5 e 10 GJ.t -1.

POLUENTE – Elemento estranho ao ar, água, solo ou alimento que prejudica a saúde e a capacidade de sobrevivência de qualquer ser vivo. Os poluentes podem ser materiais (sólidos, líquidos ou gasosos) ou existir sob a forma de energia (sonora, calor, radiação), sendo a sua ocorrência natural (vulcões, furacões…) ou antropogénica (resíduos, efluentes…).

PRENSAGEM - Ato de esmagamento de resíduos com vista á sua compactação e arrumação, de um modo geral em fardos, tendo em vista o seu encaminhamento para os respetivos retomadores. A prensagem reduz a densidade dos materiais e do volume dos resíduos com efeitos benéficos no aumento da eficiência no transporte e redução de custos.

PRODUTOR – Qualquer pessoa, singular ou coletiva, cuja atividade produza resíduos ou que efetue operações de tratamento, de mistura ou outras que alterem a natureza ou a composição de resíduos.

PRODUÇÃO – Geração dos resíduos sólidos urbanos nas suas variadas fontes: habitações, instituições, empresas, indústrias, limpeza pública, espaços de lazer, vias de comunicação.

PROTOCOLO DE QUIOTO - Em Dezembro de 1997 mais de 160 nações reuniram-se em Quioto, no Japão, para discutir a problemática das emissões de gases com efeito de estufa nos países desenvolvidos, dando continuidade aos objetivos da Convenção das Mudanças Climáticas de 1992. O resultado deste encontro traduziu-se num protocolo — o Protocolo de Quioto — no qual as nações envolvidas concordaram em limitar as emissões de gases com efeito de estufa em relação aos níveis emitidos em 1990. (Fonte: GRI)

PVC (Ploricloreto de Vinilo) - Um tipo de plástico reciclável, utilizado para produzir, por exemplo, embalagens de líquidos.

R
RECICLAGEM - Técnica ou tecnologia que permite o reaproveitamento de um resíduo, após o mesmo ter sido submetido a um tratamento que altere as suas características físico-químicas.

RECICLAR - Valorizar um material que já foi utilizado, transformando-o novamente em algo útil.

RECOLHA SELETIVA - Processo de recolha dos resíduos sólidos urbanos, separadamente por tipo de material, através dos ecopontos, ecocentros ou recolha porta-a-porta.

RECURSOS – É tudo aquilo que se obtém do ambiente sob a forma viva e não viva, com a finalidade da satisfazer os desejos e necessidades humanas. Os recursos podem ser renováveis ou não renováveis.

RECURSOS NÃO RENOVÁVEIS - Recursos que existem em quantidades limitadas e têm um ciclo próprio de formação, como por exemplo, o carvão, petróleo, cobre, etc.

RECURSOS NATURAIS - Recursos que ocorrem naturalmente, como por exemplo, o carvão e a madeira, e que são essenciais à vida. Podem ser renováveis ou não renováveis.

RECURSOS RENOVÁVEIS - Recursos que se podem produzir mais do que uma vez, ou podem ser substituídos por ciclos naturais, como por exemplo, a energia solar, eólica ou das marés.

REEE (Equipamentos Elétricos e Eletrónicos) - Entendem-se por este tipo de equipamentos, todos aqueles que estão dependentes de correntes elétricas ou campos electro magnéticos para funcionar corretamente, bem como os equipamentos para geração, transferência e medição dessas correntes e campos. Como por exemplo: • equipamentos de frio e refrigeração; • fogões e micro-ondas; • pequenos eletrodomésticos; • lâmpadas; • monitores e aparelhos de televisão.

REJEITADOS - Materiais que não são encaminhados para a reciclagem, ou porque já perderam as características que os tornam úteis para o processo ou porque não existe ainda capacidade técnica ou industrial para serem transformados.

RESÍDUO - (DEFINIÇÃO LEGAL - DL 178/2006) QUALQUER SUBSTÂNCIA OU OBJETO DE QUE O DETENTOR SE DESFAZ OU TEM A INTENÇÃO OU A OBRIGAÇÃO DE SE DESFAZER, NOMEADAMENTE OS IDENTIFICADOS NA LISTA EUROPEIA DE RESÍDUOS.

RESÍDUOS AGRÍCOLA - Resíduo proveniente de exploração agrícola e, ou, pecuária ou similar.

RESÍDUO BIODEGRADÁVEL - Resíduo que pode ser sujeito a decomposição anaeróbia ou aeróbia, como os resíduos alimentares e de jardim, o papel e o cartão.

RESÍDUO COMERCIAL - RESÍDUO PROVENIENTE DE ESTABELECIMENTO COMERCIAL OU SIMILAR.

RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD’s) - Resíduo provenientes de obras de construção, reconstrução, ampliação, alteração, conservação, demolição e da derrocada de edifícios.

RESÍDUO HOSPITALAR - (definição legal - DL 178/2006) Resíduos resultantes de atividades médicas desenvolvidas em unidades de prestação de cuidados de saúde, em atividades de prevenção, diagnóstico, tratamento, reabilitação e investigação, relacionada com seres humanos ou animais, em farmácias, em atividades médico-legais, de ensino e em quaisquer outras que envolvam procedimentos invasivos, tais como acupunctura, piercings e tatuagens.

RESÍDUO INDUSTRIAL - Resíduo gerado em atividades industriais, bem como os que resultem das atividades de produção e distribuição de eletricidade, gás e água.

RESÍDUO INERTE - Resíduo que não sofre transformações físicas, químicas ou biológicas importantes. Os resíduos inertes não podem ser solúveis nem inflamáveis, nem ter qualquer outro tipo de reação física ou química e não podem ser biodegradáveis, nem afetar negativamente outras substâncias com as quais entrem em contacto, de forma suscetível de aumentar a poluição do ambiente ou prejudicar a saúde humana.

RESÍDUO ORGÂNICO - Resíduo constituído predominantemente por matéria orgânica.

RESÍDUO PERIGOSO - (definição legal - DL 178/2006) Todos os resíduos que apresentem, pelo menos, uma característica de perigosidade para a saúde ou para o ambiente, nomeadamente os identificados como tal na Lista Europeia de Resíduos.

RESÍDUO DE EMBALAGEM - Embalagem que depois de cumprir a finalidade para a qual foi concebida, transforma-se em resíduo, devendo ser depositada no Ecoponto respetivo. Em princípio as embalagens não reutilizáveis são aquelas que passam a ser consideradas resíduos, porém nada impede que embalagens reutilizáveis possam ser colocadas nos Ecopontos/Ecocentros.

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) - Os resíduos domésticos ou outros resíduos semelhantes, em razão da sua natureza ou composição, nomeadamente os provenientes do sector de serviços ou de estabelecimentos comerciais ou industriais e de unidades prestadoras de cuidados de saúde, desde que em qualquer dos casos, a produção diária não exceda 1 100 litros por produtor.

RESÍDUO URBANO BIODEGRADÁVEL - Resíduos domésticos ou outros resíduos semelhantes, constituídos por matéria orgânica e, por isso, biodegradáveis.

RESÍDUO VERDE - Resíduo de composição vegetal, proveniente de jardins, parques, bosques ou similares.

REUTILIZAÇÃO - "Voltar a utilizar um objeto, quer para o fim para que foi criado, quer dando-lhe uma utilidade diferente.

S
SELAGEM - Conjunto de medidas operacionais e técnicas que é desenvolvido com o objetivo de assegurar que um antigo aterro sanitário permaneça seguro e aceitável ambientalmente até à sua completa estabilização. Por estabilização entende-se o final da atividade biológica característica dum aterro sanitário em funcionamento no seu interior e a passagem á atividade normal de solo estável.

SÍMBOLO PONTO VERDE - "O símbolo ""Ponto Verde"" colocado numa embalagem significa que, para essa embalagem, foi paga uma contribuição financeira à SPV, a qual, estabelecida de acordo com os princípios definidos pela Diretiva Europeia nº 94/62 e respetiva legislação nacional, é responsável pela valorização das embalagens depois de usadas. O símbolo ""Ponto Verde"" não é um símbolo ecológico."

SOCIEDADE PONTO VERDE – A Sociedade Ponto Verde, S.A. é uma entidade privada, sem fins lucrativos, constituída em Novembro de 1996, com a missão de promover a recolha seletiva, a retoma e a reciclagem de resíduos de embalagens a nível nacional.

SOLO – Meio natural para o desenvolvimento das plantas terrestres, tal como se formou, solo dito natural, ou mais ou menos modificado como resultado da sua utilização pelo homem.

SUSTENTABILIDADE – Pode ser definida como a possibilidade de manter qualquer atividade de forma perpétua sem nunca se atingir a exaustão dos recursos naturais básicos que a proporcionam.
 
 T
TRATAMENTO MECÂNICO E BIOLÓGICO (TMB) - O termo tratamento relaciona a forma como as operações do processo se podem integrar; mecânico refere-se à triagem, separação e redução  de tamanho dos resíduos, através de tecnologias  de crivagem, trituração, separação granulométrica, etc, obtendo-se produtos potencialmente  úteis e/ou fluxos preparados para processamento biológico; e biológico, refere-se a processo biológico, aeróbio ou anaeróbio, que permite a transformação da fração de resíduos biodegradável num produto estabilizado e no caso de o processo utilizar a digestão anaeróbia, também em biogás, com potencial de valorização energética.

TRATAMENTO QUÍMICO DOS RESÍDUOS - Utilizam-se métodos de tratamento químico para completar a degradação dos resíduos nocivos em gases inócuos e, mais frequentemente, para alterar as propriedades químicas dos resíduos (por exemplo: reduzir a solubilidade da água ou neutralizar a acidez ao a alcalinidade).

TRIAGEM - Ato de separar ou selecionar de entre um conjunto e segundo um critério.

V
VALORIZAÇÃO OU RECUPERAÇÃO - (definição legal - DL 178/2006) Operação de reaproveitamento de resíduos prevista na legislação em vigor, nomeadamente: i) Utilização principal como combustível ou outros meios de produção de energia; ii) Recuperação ou regeneração de solventes; iii) Reciclagem ou recuperação de compostos orgânicos que não são utilizados como solventes, incluindo as operações de compostagem e outras transformações biológicas; iv) Reciclagem ou recuperação de metais e de ligas; v) Reciclagem ou recuperação de outras matérias inorgânicas; vi) Regeneração de ácidos ou de bases; vii) Recuperação de produtos utilizados na luta contra a poluição; viii) Recuperação de componentes de catalisadores; ix) Refinação de óleos e outras reutilizações de óleos; x) Tratamento no solo em benefício da agricultura ou para melhorar o ambiente; xi) Utilização de resíduos obtidos em virtude das operações enumeradas de i) a x); xii) Troca de resíduos com vista a submetê-los a uma das operações enumeradas de i) a xi); xiii) Acumulação de resíduos destinados a uma das operações enumeradas de i) a xii), com exclusão do armazenamento temporário, antes da recolha, no local onde esta é efetuada.

VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA – Utilização dos resíduos combustíveis para a produção de energia de incineração direta com recuperação de calor.

VALORIZAÇÃO ORGÂNICA – Utilização da fração orgânica contida nos resíduos para produção de composto (por via aeróbia – compostagem) ou para produção de biogás e composto (por via anaeróbia – digestão anaeróbia).
 
VIDA ÚTIL - Período de tempo durante o qual um produto exerce a função para qual foi concebido.